Waldecy Rodrigues

23/11/2015

Artigo:

Prometheus acorrentado: entraves ao desenvolvimento científico e tecnológico

Prometheus na mitologia grega tem o significado da evolução das ciências e de sua disseminação. Porém, ele foi punido e acorrentado por Zeus justamente por compartilhado o saber com a humanidade, dando-lhe condições de evoluir e ser como os deuses.

O Renascimento e a Revolução Industrial do século XVIII e no século XX a chegada do homem a lua, depois a criação de várias revoluções tecnológicas, com a informática, o advento da Internet, e tantas outras invenções e inovações, promoveram um verdadeiro “desacorrentamento” de Prometheus nas economias capitalistas avançadas, metaforicamente dizendo.

Porém, países não desenvolvidos permaneceram “acorrentados” a um ciclo vicioso de meros copiadores de tecnologias, eternos receptores de conhecimentos já prontos. No Brasil não foi diferente ao longo de sua história, porém em meados do século XX a criação do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, de órgãos como o CNPq, a Capes, o Finep, entre outros, e também as crescentes parcerias com o setor privado, tiraram o Brasil da condição de país totalmente dependente tecnologicamente, para um país emergente também nesta área e com razoáveis perspectivas de estabelecer tecnologias próprias no cenário internacional. Casos como a Embrapa com tecnologias agropecuárias e a Embraer com a produção de aviões são emblemáticos das possibilidades tecnológicas brasileiras.

Já no cenário regional, algumas unidades da federação estão se “desacorrentando” do atraso científico e tecnológico, em especial do Sul e Sudeste. Mas, também nas outras regiões brasileiras, temos também alguns bons exemplos no apoio a C&T, como Pernambuco, Rio Grande do Norte, Goiás, Pará e Amazonas. O principal pilar dos Estados mais bem sucedidos na área de C&T é uma presente e forte Fundação de Amparo a Pesquisa, com dotação própria e regularidade na aplicação de recursos.

O Estado do Tocantins ainda precisa consolidar seu sistema regional de ciência e tecnologia, para isto precisa fortalecer sua Fundação de Amparo a Pesquisa, que atualmente praticamente existe apenas no papel. Outro desafio é fazer com que o percentual obrigatório e constitucional para aplicação no setor seja executado em despesas tipicamente de C & T, como por exemplo, projetos de pesquisa e inovação.

O problema não é somente a falta de recursos financeiros, mas sim como são despendidos. Por exemplo, o órgão estadual responsável pela C&T estadual tem um gasto com pessoal de mais de R$ 5 milhões anuais, valor este muito semelhante ao praticado em Goiás. Porém temos de convir que a estrutura de amparo a pesquisa goiana é muito maior e funciona com dezenas de Editais em vigor com recursos do tesouro estadual, enquanto no Tocantins, praticamente não há fomento com recursos próprios para a pesquisa e inovação.

Um relevante passo para “desacorrentar” o Estado do Tocantins de seu natural atraso científico e tecnológico, é que os escassos recursos hoje disponíveis em C&T sejam melhores aplicados, primando pelo equilíbrio entre a estrutura administrativa e a área fim. Acredito muito em nossas potencialidades, temos uma população jovem, com grande capacidade, boas instituições de ensino e pesquisa. Fazendo alguns ajustes, e destinando recursos regulares, que já existem, para ciência e tecnologia em projetos de pesquisa e inovação relevantes, em muito breve o Tocantins se tornará também bem mais atrativo para atração de empresas de alta tecnologia e mão de obra científica qualificada.

Escrito pelo Economista. Prof°. Dr. e Pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal do Tocantins (UFT). 


Assine!

Assinando nosso NewsLetter abaixo você receberá nossas últimas atualizações por e-mail totalmente grátis!

Nos acompanhe!

Nossa Localização

Endereço:

Quadra 104 Sul (ACSE 01), Conjunto 04 Lote 12, Sala 107

Palmas-TO - CEP: 77020-020

Entre em contato!

Telefone:

(63) 3215-2886 / 3215-8660

E-mail

coreconto@gmail.com

Funcionamento

Horário de funcionamento
das 8:00 as 14:00.
Conselho Regional de Economia do Tocantins - Todos os direitos reservados